segunda-feira, maio 23, 2011

ANO VI - Etapa 41

MALDITO MÊS DE MAIO!...

Ainda fazemos força para fingir que já passou - mentira! - a dor de ver partir um amigo e, em catadulpa outras notícias nos vêm, de novo, 'atirar ao tapete'!...
Depois da chocante morte do belga Wouters em plena etapa no Giro.


Hoje, ao princípio da tarde, estava eu, mais uma vez num consultório médico quando soou o telemóvel. Não podia atender, mas vi que era o Teixeira Correia.

Pensei muita coisa, menos naquela que - viagens, apertos, cansaço... escolham a 'desculpa' que quiserem para não ter ligado de volta ao Teixeira Correia, tanto me faz (todas são válidas) -, finalmente chegado a casa e ao ligar o computador se me deparou fria e crua, como sempre são cruas e frias estas notícias.

Morreu o Xavi Tondo!...

A primeira reacção que temos é sempre a da negação:
Não! Não pode ser.
Ainda por cima as explicações eram curtas e pouco precisas...
... o que não é preciso para que seja verdade.

Dolorosa verdade.

O Xavi, com aquele seu ar de menino, marcou toda a gente que o conheceu de perto.

Pela sua simplicidade, simpatia, facilidade no trato... nos antípodas - e acho que cheguei a escrever isto mesmo - de algumas 'estrelinhas' que povoaram o pelotão português.

Recorda-se agora, é claro, a sua vitória na Volta a Portugal de 2007, mas ele somou muitos mais triunfos importantes.

Talvez porque, em 2007 eu já não estivesse no pelotão, a maior recordação dele remonte a dois anos antes. Quando, e depois de uma passagem quase despercebida pela Barbot, ao serviço da frágil Catalunya-Angel Mir venceu a Volta ao Alentejo.

Aí, eu estava lá.

Aquela subida 'inventada' de fresco, com o alcatrão - e passe a contradição - ainda a fumegar porque acabara de ser colocado, que inaugurou uma nova chegada à cidade de Portalegre (vindo da estrada de Castelo de Vide, virando è esquerda, passando frente ao Hospital Distrital) empinando de forma quer ninguém esperava traiu os principais favoritos.

Depois, no último dia, numa mini-etapa, que saiu de Nisa para chegar até ao primeiro pano de muralhas de Marvão, com passagem pela Senhora da Penha (Castelo de Vide), todos os observadores, incuindo eu, 'basofiámos'.
A poderosa Maia tinha a Volta ganha.


A etapa não tinha sequer 50 quilómetros, ou se tinha eram poucos mais.
Era 'prego a fundo' desde a partida e os coitados da Catalunya nem iam perceber o que lhes estava a acontecer... à entrada da sr.ª da Penha não prevíamos mais do que 15, vá lá... 20 corredores que seria 'derretidos' pela 'armada' verde-e-azul'...
Manuel Zeferino só tinha que escolher qual dos seus homens iria vencer...
O que aconteceu, ainda hoje todos estamos para saber.


O pelotão - culpa da Maia - encarou uma tirada de 50 quilómetros (acho que menos) como se fosse uma de 250 e a Castelo de Vide chegou praticamente inteiro. Ora, com Marvão à vista toda a gente, e muito legitimamente, achou que podia ter a sua chance.

A chegada, em alto, foi como todas as chegadas em alto, a conta-gotas, mas sem marcar diferenças significativas. Venceu essa etapa o Sérgio Ribeiro, da Barbot.

.
.
Ganhou a Alentejana aquele corredor franzinho com quem falei, ele sentado no asfalto, eu de joelhos, e que me contou a história e um grave acidente que sofrera alguns anos antes, das placas de platina e dos parafusos que tinha nas pernas e de como chorara baba e ranho porque lhe disseram que não poderia voltar a correr.
Voltou!


Em equipas pequeninas, como a Paternina ou a Barbot de então (só a parte final da temporada e quase só lá fora) e que a nesse ano criada Catalunya que tinha um projecto para fazer uma equipa regional - tipo Euskatel-Euskadi, com os bascos - mas que não conseguira mais do que juntar um voluntarioso mas insonso plantel, recuperara.

E fora na véspera, em Portalegre, que Xavi Tondo voltara às vitórias.

E fora ali, à sombra das muralhas do Castelo de Marvão que vencera a sua primeira corrida internacional.

Ainda ficaria em Espanha mais uma época.

A Catalunya fora apenas ma ilusão e ele passou para a modesta mas persistente Relax.
Um homem, porém, não mais se esquecera dele: Manuel Zeferino.

E em 2007 foi buscá-lo para a Maia e desde cedo garantiu que era a sua aposta para ganhar a Volta a Portugal.
Quantos terão, sinceramente, acreditado?

E quem é que ainda se lembra daquela primeira etapa dessa Volta a Portugal em que a experiência de Orlando Rodrigues, que se estreava como técnico à frente do Benfica, a meio caminho da cidade de Bela, naquelas longas rectas do IP2, desprotegidas, à mercê dos caprichos do vento, aproveitando os primeiros 'abanicos' desfez o pelotão?
E quem é que ficou para trás?
A equipa da Maia, com Tondo ainda mais atrás, na cauda do pelotão.

Só uma velha raposa como Manuel Zeferino - que tinha a melhor equipa do pelotão até porque o Benfica se auto-fragilizou ao partir com três 'chefes-de-fila' a ver no que dava - poderia ter dado a volta à corrida, como deu

E o Xavi ganhou mesmo a Volta.

.

.
Depois... aconteceu o que todos sabemos. E em 2008 a organização - que já tivera no pelotão, em anos anteriores, equipas como a Kelme (que até ganhou a Volta individualmente), apesar das suspeitas de doping - não teve coragem para levar a Maia à Volta. Poucas horas depois dessa Volta acabar recebi uma mensagem a dizer: 'Sabes, Manel? Nunca irei saber se fiz bem ou mal em ter deixado a Maia de fora...'


Está guardada.

Antes diso, porém, em declarações ao Diário de Notícias, que aqui recupero, o Xavi diria:

"Queria defender a vitória do ano passado"
13 Agosto 2008
Diário de Notícias - Qual o sentimento por não poder defender o título do ano passado?
Xavier Tondo - Tristeza e impotência. Não percebo porque não nos convidaram [equipa LA-MSS]. As investigações policiais duram há dois meses, já substituímos os elementos da equipa suspensos preventivamente, temos corrido em Espanha e aqui não nos deixam. Queria mesmo estar presente a defender a vitória de 2007.

Em 2009 representou a Andalucia-CajSur e o ano passado a Cérverlo, tendo ganho uma etapa no Paris-Nice, outra na Volta à Catalunha, na qual terminou em segundo na geral final, tendo, ainda, sido 6.º na geral final da Vuelta.


Já este ano, agora na Movistar, herdeira da mítica Banesto (onde tinha por companheiro o português Rui Costa), venceu a Volta a Castela e Leão.
Preparava, na Sierra Nevada, a próxima edição do Tour.

A morte, de uma forma estúpida, veio e levou-o.

Fica, para além de uma revolta difícil de definir, a minha homenagem. Mais ainda ao Homem do que ao Corredor. Nestas crónicas há uma enorme preocupação em destacar o palmarés - que pode ser consultado em mil e um sítio na Internet - talvez porque falte a quem as escreve a sensibilidade de, ao longo de um carreira... nem que seja no final de uma etapa de uma só corrida... ter percebido o Homem por baixo do equipamento de Corredor. E não será isso o mais importante?


Descansa em paz Xavi...


(Porque é que vocês todos, e aqui por baixo está o Bruno, com tanto ainda para dar-nos, estão a ir embora antes de mim? Sou mais velho. Vivo a falsidade de tantas... 'amizades', mas é de gente que não me abandonou, apenas ficou para trás mal a estrada empinou. Não me seguiram... Só isso. E não esperarei por eles.)

2 comentários:

cristina neves disse...

:(...................

filomeno2006 disse...

Xavi Tondo (q.e.p.d.), Hombre Cabal, Hombre de Bien.....