terça-feira, agosto 17, 2010

ANO V - Etapa 81

VOLTA A PORTUGAL'2010
(Claro que não estavam à espera que eu deixasse de comentar a Volta!...)

* Dois avisos preliminares... esta Etapa vai ser escrita do fim para o princípio e a razão é óbvia, primeiro há que vitoriar o grande vencedor na estrada, David Blanco, que demonstrou ser, não só o melhor Corredor do pelotão como, arriscaria, o mais modesto, o mais racional, o mais frio, no bom sentido, logo... o mais seguro. Logo o mais forte.
.
.
** Segundo aviso... por motivos de saúde, tanto pessoal, como de familiares, nem pude ver as etapas todas, nem pude ler, todos os dias, com olhos de ler, o que os colegas que andavam na estrada escreviam dia-a-dia. Estive agora a ler os respectivos balanços, que hoje foram dados à estampa.

(Só peço a todos um imenso e impagável favor... leiam-me como um adepto, ainda que privilegiado, do Ciclismo e esqueçam a minha profissão. Há cinco longos e dolorosos anos que estou afastado da modalidade, tantos... que não cobri nenhuma das vitórias do David Blanco!!!)

E porque não começar por aqui, por quem ganhou mais Voltas?
Correcto que o que conta são os números oficiais, aqueles que a estatística guardará na sua frieza, mas sem querer entrar em polémicas, a verdade é que tanto Joaquim Agostinho como Marco Chagas venceram, na estrada, cinco Voltas cada um. E o David Blanco... três.

O Campeoníssimo Agostinho, infelizmente, já não está entre nós há muito e compreendo que Marco não queira nem ser lembrado da Corrida de 1979 (ganha na secretaria por Joaquim Sousa Santos); Agostinho também venceu as Voltas de 1969, a que seria a sua primeira, e de 1973, a quinta; perdeu-as na secretaria, respectivamente para Joaquim Andrade (pai) e para o espanhol Jesus Manzaneque.

Ninguém se lembrou de sublinhar isto.

Não é demérito nenhum para o David Blanco - com quem, ainda não há muitos anos, trocava assíduamente correspondência através do correio electrónico (é o mesmo David, se quiseres voltar a contactar) - ter ganho uma Volta na secretaria. Há regulamentos, são para ser cumpridos e, aliás, ele mesmo o disse, quando questionado, já não sei por quem, em relação a qual das vitórias lhe dera mais prazer respondeu qualquer coisa como "se tens quatro filhos gostas mais de um do que dos outros? mas o 'filho' do ano passado foi adoptado..."

Voltarei a todos estes assuntos. Hoje consegui sair um pouco mais cedo e não quis deixar passar mais tempo para falar da Volta, mas isto vai durar semanas... assim eu tenha saúde e vontade.

E disposição dados os problemas de saúde de um familiar muito chegado. Tão chegado que é o meu próprio pai.

Mas tomei mais algumas notas... deixem ver...
Isto vai ser uma Etapa atípica, saltitando de assunto em assunto, compreendam-no...

Por exemplo, em relação ao Joaquim Sampaio deu jeito por ser o mais velho do pelotão. Começámos ambos no mesmo ano, 1991. Duraste mais cinco do que eu, Quim. Um grande abraço.

Li que teve uma carreira que poderia ter sido melhor...

Recordo: o Joaquim Sampaio venceu por duas vezes o Troféu Joaquim Agostinho, em 1993 e em 1996, em 1998 ganhou a Clássica da Primavera, no ano seguinte a Volta ao Concelho de Vila Franca de Xira (moro cá, e cobri a corrida) e em 2001 o Grande Prémio Abimota... citei apenas estas cinco vitórias... procurem que há mais. Foi sempre um gregário (palavrão que, aposto, no 'pelotão' de jornalistas que cobriram esta Volta, 90% não sabe o que significa e também teve azar ao fixar-se na equipa que tem o mais antigo DD português mas que pensa as corridas exactamente da mesma forma como as pensava há 25 anos...
Não pensa. É deixar correr e ver no que dá.

O Boavista, que o ano passado, é verdade, venceu o Prémio da Montanha (como é que ninguém o soube explicar) entra na Volta a Portugal para tentar ganhar... o Prémio da Juventude?

O Prof. não consegue - ou não tem tempo - para, pelo menos, estudar a corrida e dizer... esta etapa vamos tentar ganhar... poupamo-nos nas outras, mas nesta vamos apresentar um trabalho estudado e concertado e vamos ganhar...

Passaram pelas suas mãos diversos Corredores ganhadores mas que só venceram alguma coisa quando mudaram de equipa, essa é que é a verdade... e quererá dizer alguma coisa, apesar de ele não perder oportunidades de afirmar que é um 'formador' de campeões...

O pior é que não explica, e ninguém lhe pergunta, porque é que os Corredores feitos e com vitórias no seu palnarés chegam à equipa e... desaparecem! O Ricardo Vilela e o João Benta, por exemplo, chegaram-lhe á mão já 'formatados'.
Vamos ver o que vai fazer deles!...

... e se os mais antigos, entre os jornalistas, não são capazes de o escrever, como é que os que todos os anos caem no Ciclismo de pára-quedas o hão-de saber? E era bom saber.

É que nós, os velhos, um destes dias vamo-nos... e tenho receio que fique um enorme buraco na história do Ciclismo para ser contado.

Por exemplo, e só me refiro aos balanços que li hoje, é confrangedor, pese embora saiba da sua paixão pelo Ciclismo, que um, ainda jovem colega, mas que em 2000 não passaria de um teen-ager escreva que a cooperação entre o trabalho do doutor Benjamim Carvalho, do Vidal Fitas e do David Blanco foi, cito de cor, "como em 2000, com Vítor Gamito, a chave do sucesso"...

É destes hiatos que tenho medo.

Procura a colecção de A BOLA de 2002, não sei a data mas sei que a conversa teve lugar antes da partida da etapa que começou em Mondim de Basto, logo a seguir à subida da Sr.ª da Graça, e em que o doutor me afirmou, preto no branco, que tinha sido médico da equipa da Porta da Ravessa, em 2000, com a excepção de um Corredor, o Vítor que era ele próprio que planeava os seus treinos e decidia que suplementos que havia de tomar dispensando os cuidados do médico da equipa. Isto depois de ele, no seu primeiro ano no Cantanhede ter falhado a partida por... fadiga de esforço.

Mas o decano também nos oferece uma lista de vencedores de Voltas sem terem ganho uma etapa sequer... Só que na lista inclui Cássio Freitas.
Ora o brasileiro que venceu a primeira Volta para o Boavista ganhou - ainda que na Secretaria, mas isto se vale para um, tem de valer para todos (ou não?!) -, em 1992 a etapa da Senhora da Graça depois da desqualificação do jovem Quintino Rodrigues, então no Feirense. Eu estava lá!

E de tropeção em tropeção, chego ao Hernâni Brôco, jovem que conheço desde 1995, numa participação na Volta à Ilha da Madeira que acompanhei para A Capital, tinha ele... 16 anos.


Como foi possível, ele, que foi múltiplo Campeão Nacional nos escalões de formação, até aos sub-23; que toda a gente reconhece - caramba, 75% por cento das fotos que tenho, aqui, no meu arquivo pessoal, ou a que tenho aceso no arquivo do Jornal, mostram-no de dentes cerrados a dar tudo o que tem de si - ser um Corredor acima da média, estranhamente ter ficado de fora nas duas anteriores Voltas a Portugal.

Houve um sacana que levantou a hipótese de le ter ficado de fora por uma determinada razão. E que, sacanamente, deixou no ar um desafio.

Meio comprometidos - vá lá saber-se porquê - todos os jornais lhe puseram depois essa questão. A sua resposta só não a entende quem não quiser.

E, peço desculpa ao Artur Albarran... "horror dos horrores, catástrofe das catrástofes" houve uma reacção.

Um "comunicado", vindo de Espanha e pretensamente assinado por Isidro Nozal - curiosamente dirigido a UM SÓ OCS português, que nem sequer foi a nossa Agência Noticiosa que o poderia distribuir por todos os outros -, um empedernido leitor dos jornais portugueses que, como todos sabem, se vedem em todas as esquinas de todas as calles das mais pequenas cidades da grande Espanha 'explica-nos' porque é que o Hernâni ficou de fora: não é homem solidário com os companheiros de equipa, na opinião dos próprios companheiros, ouvidos pelo DD, segundo o 'comunicado' de Nozal.
Um dos três dessa equipa que foi apanhado com EPO, no final da Volta do ano passado.

Antológica é a resposta do Hernâni: "Se era esse tipo de solidariedade que queriam... sinto-me bem comigo próprio."

E agora?
Ainda precisam de mais alguma pista ou tenho que reforçar que um dos chefes-de-fila dessa equipa se recusou a tomar EPO (para uma Volta a Trás-os-Montes com o argumento de "que até á Volta a Portugal os vestígios desapareceriam"), Corredor esse que, estranhamente, na altura, acabaria por deixar a equipa para rumar um pouco mais a Sul?

Mas, digo eu que às vezes sou capaz de ser um bocadinho para o lerdo: perante este... insólito 'comunicado' de um corredor queimado que não era tido nem achado para o caso - convém não esquecer isto: dirigido a um único OCS nacional, que o citou sem pestanejar, o que também é obra - porque é que ninguém procurou saber junto de outros ex-companheiros do Hernâni Brôco, cuja equipa acabou ano passado, não se havia maroscas ou outras coisas que comprometessem quem quer que fosse, mas que corroborassem da opinião do rapaz Nozal...

Que o Hernâni ficou dois anos de fora porque... não era Corredor de equipa!...

Pergunta simples, descomprometida... e ele havia vários no pelotão.
Porque tiveram medo de a fazer?

Tchi... queria ter escrito mais, mas já é tarde.

Vou abreviar, com a promessa que este é o Capitulo Zero da minha visão da Volta a Portugal'2010.

Contudo, não posso acabar assim...

Irrita-me solenemente ler que "os estrangeiros" levaram a melhor, ainda por cima se os 'estrangeiros' são o David Blanco e o David Bernabéu... os chefes-de-fila de duas equipas portuguesas quando é mesmo o Ciclismo a modalidade mais 'mixada' de todas - sim, porque no atletismo, por exemplo, ninguém chama nigeriano ao Obikwelu, pois não, é dos poucos que ganham medalhas para... Portugal! -, já agora, dos 32 jogadores que o Benfica utilizou a época passada, quando foi Campeão Nacional da futebol sabem quantos eram... portugueses? Nove!

Quando falamos de modalidades colectivas não faz sentido a bacoquice de separar alguém nascido em Caminha de outro nascido em Vigo... e estiquem o exemplo até onde vos apetecer...

Para quem, mesmo que o sendo, não deixe de dar importância ao parecer que é sério, só houve quatro estrangeiros nos primeiros 20 da Classificação final da Volta a Portugal.

Para terminar, por hoje, fico com duas situações que me deixaram deveras incomodado.

A primeira foi a indescritível decisão do Colégio de Comissários - atenção ao pormenor que, sempre que é importante parece que queima a ponta dos dedos de quem tem que nos contar o que aconteceu, a decisão de uma desqualificação é sempre colegial (quando eu ouvi que era estranho desqualificar um francês porque a Presidente do Colégio de Comissários era francesa) - no sprint, e graças a deus não fui o único a verificar isso, da Avenida da Liberdade onde não aconteceu ponta de irregularidade.

Se o pobre do francês tocou, com o pulso, no braço do Cândido, isso aconteceu, visivelmente, depois do risco da meta e numa fase de desaceleração e de descompressão. E quem melhor que o Cândido para saber o que isso é...

A segunda que, por acaso, cronologicamente foi a primeira - continuo a referir-me à última etapa - tem a ver com aquela vergonha de por um homem de fato de macaco no início da Avenida Fontes Pereira de Melo com uma plaquinha a dizer "Meta Volante"... é que nas domingueiras!... Já há uns dias atrás que, numa situação de uma primeira passagem pela meta, a dada altura apareceu no cantinho inferior direito da televisão alguém com outra plaquinha a dizer que faltavam três quilómetros.

Não há justificação.
Não há!

Na RTP ainda nos tentaram comer por parvos dizendo que a Câmara Municipal de Lisboa não permitira fazer buracos no passeio e - por força da largura do pórtico insuflável - inevitavelmente no asfalto a meio de uma das vias mais movimentadas da capital, mas isso foi chamar-nos a todos tolos.

E provo. Estão a ver esta Meta Volante?

Na próxima vez telefonem-me que eu explico como é que numa avenida com 24 metros de largura se pode por uma faixa só sobre quatro ou oito metros...
É prende-la a um poste do lado direito e dar-lhe corta até ao outro lado... ou não tinham cordas?

E os postes de iluminação estão alinhados...
Estavam dois metros mais á frente?
Metro e meio mais atrás do local previamente estabelecido no livro da prova?
Quem é que ia medir?


Mesmo para terminar, e para não acabar com esta nota negativa...
Desde o saudoso Francisco Nunes que a Volta não tinha um Director como o Joaquim Gomes e como conheci um, e conheço o outro, sem prejuízo para a memória do Xico Nunes, amigo do peito, o Joaquim já leva vantagem. Assim lhe porpocionem os meios...

E não posso terminar sem aqui, tão publicamento quanto este cantinho é público, deixar de agradecer à Organização da Volta a Portugal o facto, primeiro, de me terem convidado para a Apresentação; depois, por me enviarem regularmente informações e, finalmente, por me terem dado, diariamente, e independentemente do sitio oficial a que todos teriam acesso, informação personalizada para o meu correio electrónico. Bem hajam!

18 comentários:

Carl Floyd disse...

"Se o pobre do francês tocou, com o pulso (???), no braço do Cândido, isso aconteceu, visivelmente, depois do risco da meta e numa fase de desaceleração e de descompressão. E quem melhor que o Cândido para saber o que isso é..."


Esta vai sem comentários. Basta olhar para o chão.

http://www.volta-portugal.com/_conteudos/etapa10/fotos_publico/Chegada02.jpg

http://www.volta-portugal.com/_conteudos/etapa10/fotos_publico/Chegada.jpg


(até tu, Madeira?... E não vale a pena discutir mais o caso, que me informei com quem de direito para confirmar que a decisão foi bem tomada, como alias tambem o comprovam estas imagens, bastando ver a posição das bicicletas)

DOISW disse...

Madeira,

O difícil é fazer omoletas sem ovos, pois com ovos todos as sabem fazer.

Difícil também é conseguir arranjar os ovos para fazer as omoletas.

Quanto à comparação final desta tua etapa e com todo o respeito que o Sr. Joaquim Gomes possa eventualmente merecer pelo trabalho que tem executado na PAD, há “coisas” que não têm comparação e sem entrar em grandes pormenores posso afirmar que o Sr. Francisco Nunes estava a anos luz de qualquer outra pessoa (ainda hoje recordo com saudade muitos dos ensinamentos e puxões de orelhas que ele me foi dando…).

majv disse...

Aproveitando este espaço do Manuel Madeira, e porque apenas vi as imagens do hipotética irregularidade no telejornal desse dia, sem que as tenha gravado, e ainda porque as minhas pesquisas para encontrar esse video na net, não têm dado qualquer fruto, pedia a quem descobrisse alguma publicação, que facultasse o link.
Eu estava na chegada...mas não vi a chegada, logo, das imagens "in loco", só se fosse por palpites..., mas ouvi o speacker a dizer que o 1º a passar a linha de meta foi o tal francês.
Depois, perto do pódio e no ecran gigente, vi a clasificação com o Cândido em 1º, mas pelas imagens....via o francês a "ganhar", pelo que mais baralhado fiquei.
Ao chegar a casa é que fui informado do que se teria passado, e confesso que, da rápida visão que tive das imagens no telajornal, até me pareceu que o cotovelo do francês já está á frente do braço do Cândido, quando há um ligeirissimo toque entre os dois...
Mas, repito, PARECEU-ME...
E uma coisa é PARECER, outra é SER.
De qualquer modo, e isto posso garantir, a decisão foi mesmo da responsabilidade da Presidente do Colégio de Comissários, sendo que muitos dos outros (ou todos, não sei...) não concordaram.
Um deles, em conversa comigo, e quando eu disse que tinha sido uma "mancha" na Volta, apenas acrescentou...."e bem negra".
Bem, mas se alguém conseguir, mande lá um link de um video, para ver se eu próprio tiro todas as minhas duvidas.
Um abraço
....
E, Madeira, força e pensamentos positivos...
No ano passado, no inicio do ano, tive o meu pai internado e muito mal, no final do ano, foi a minha mãe....e, acabaram agora de fazer 86 anos.
Portanto, a seguir a momentos maus, há sempre outros melhores.

Manuel Vitorino

mzmadeira disse...

Caro Carlos,

pelo "também tu, Madeira?" depreendo que estás a 'colar' a minha opinião às muitas (à maioria, sejamos correctos) que, ou no imediato, ou à posteriori, se pronunciaram contra a decisão dos comissários.

Por acaso, no domingo vi a etapa, vi a chegada e fiz a mesma leitura que o Marco Chagas fez. Ao mesmo tempo. Depois, como sabes, apesar das opiniões minoritárias, a esmagadora maioria dos comentários 'caiam' para o mesmo lado.

Quantos sprints já vimos? Tu, mais do que eu, com certeza, e insisto, não vislumbrei, nem vislumbro, motivo para a desqualificação do jovem francês. Houve contacto entre os dois?, houve e eu admiti-o. Foi suficiente para tirar a vitória a quem cortou a meta em primeiro lugar? Não!...

E não tem nada a ver com os protagonistas, isso, se influenciou alguém, aparentemente foi... pelo que diz o Manuel Vitorino, a presidente do Colégio de Comissários (embora, caro Manuel, eu volte a sublinhar que a decisão é, tem de ser, colegial, por isso ela não decidiu sozinha)...

Comparo esta desqualificação aos 'penalties' marcados no futebol só porque houve um ligeiro contacto físico - como se o futebol não fosse um jogo de contacto físico permanente - ou por uma bola que chutada à queima-roupa bate, ou pareceu que bateu na mão de um pobre que está a 60 centímetros e é incapaz de ter reflexos tão rápidos assim.

Pela tua leitura, só vejo, na actualidade, um 'sprint' que não deixa dúvidas, qualquer um que envolva o Mark Cavendish que, em 80 metros ganha 150 á concorrência!...

majv disse...

Manuel Madeira,
Também vou "divagar" um pouco...e "futebolizar" este espaço.
Havia um árbitro, que era sócio do meu clube (também é da 2ª circular, como o seu, mas não equipa de vermelho...) e que cada vez que arbitrava jogos desse clube...era uma desgraça.
Em caso de eventual duvida, em 99% das vezes, apitava contra o "seu" clube...
E agora, voltando ao tema, será que, nums situação de eventual duvida, ela "apitou" contra o francês, para não ser acusada de protecionismo?
É dificil de engolir, e espero bem que não tenha sido isso, de qualquer maneira, se alguém arranjar por aí um link das iamgens...acho que todos agradecemos.
Manuel Vitorino
Um abraço

costinha disse...

a meu ver, há um choque involuntário (tipo "carga de ombro") do Candido que ia cego, no tórax do francês (não é no pulso nem no braço) que até o obriga a flectir para o centro para não cair.

imagens
download do respectivo filme

a Juanita que desculpe usar o espaço. é temporário.

mzmadeira disse...

Obrigado António Costa...

o filme não o consegui abrir, mas a sequência dos 'frames' é elucidativa e até recuo lá atrás e repesco a chamada de atenção do Carlos Flórido: olhem para as rodas da frente das respectivas bicicletas.

E digam-me onde é que o pobre do francês fez 'falta'!

costinha disse...

o filme tem que fazer "save" ou "guardar" no pc, e depois abre por exemplo, com o media player.

abraço

Carl Floyd disse...

Não percebeste a minha chamada de atenção para a posição das bicicletas, Madeira: o "pobre" francês, mais do que o cotovelo que todos viram mas acham "normal", mudou de trajectória e foi isso que pesou na sua desclassificação. Essas imagens são ambas antes do risco, embora a segunda mesmo em cima dele, dai um já festejar e o outro protestar.


Quando escrevi que me "informei", foi exactamente isso que fiz. Tu sabes que não escrevo de cor.
A decisão, faço essa inconfidência, demorou a tomar, mas nela pesou o facto de além da cotovelada o francês ter virado a bicicleta para o lado do Cândido(nao esta nas imagens), levando ambos a um ligeiro (mesmo assim de 2 bicicletas no minimo, como prova a imagem) desvio de trajectória, caso contrario teriam chocado.


Para encerrar os meus comentários sobre este assunto, falta uma chamada de atenção para os regulamentos, que dizem (por palavras minhas):
Um sprint é irregular se um corredor fizer uma manobra que

a) prejudique um adversário (isso é inegável, o Cândido foi impedido de lançar a bicicleta ao ser tocado no braço)

b) tenha intencionalidade na acção (aqui a questão é mais subjectiva e foi o facto de virar a bicicleta para o lado do Cândido que, somado à cotovelada, levou a considerar ser a manobra propositada)



Agora sim, para terminar: o que me espantou neste caso foi a quase unanimidade a favor do francês (ou contra o Cândido?...) numa decisão que seria sempre polémica. Ou entao sou eu que já nao percebo nada disto e as cotoveladas, ligeiras ou não, são permitidas no sprint. Quanto à mudança de trajectoria, só eu e os comissários é que vimos, o que ainda é mais espantoso. Vou ter de mudar de óculos.

Carl Floyd disse...

Afinal só vou acabar agora, pois nao tinha dado devido atenção à leitura do Costinha, a mais fabulosa de todas as que li e ouvi: então foi o Cândido, esse cego, a carregar o francês????
Que, coitado, para nao cair teve de se desviar para cima do "cego".

Creio que por esta conclusão está tudo dito sobre as opiniões em relação a este caso, de verdadeira e completa futebolização do ciclismo! E azar do Cândido, há poucos do clube dele a dar opiniões.


(agora mais a sério, Costinha, essa imagens são colhidas na diagonal e não mostram quem se desvia para o lado de quem, nascendo daí a sensação de ser o Cândido, por estar mais próximo, a ir para cima do mais afastado, o francês. Basta ver as imagens da PAD para se verificar o contrário. Mas se querem insistir, por mim até podem pedir agora a desclassificação do Cândido por agressão ao fragil torax francês, já estou por tudo...)

majv disse...

Também não consegui abrir o filme.
Já agora, Costinha, se tiveres o filme por aí, em algum formato "legivel", manda-me também para o meu mail, ok?)
Quanto ás imagens, parecem confirmar a minha ideia inicial, isto é, o cotovelo do Cândido é que toca por traz no braço do françiu...
Continuo a ter uma duvida...onde está a linha de meta? Disfarçada no meio da publicidade? Ou ainda mais á frente?
Bem...já está, já está.
Penso que até para o Cândido, pela carreira que construiu ao longo dos anos, despedir-se (?) das Voltas a Portugal com esta "vitória", não será nada agradável.

costinha disse...

há tanto tempo com computadores ainda não aprenderam o que é um ficheiro ".rar".. eheh estou a brincar. teem que guardar o ficheiro e descompactá-lo.

coloquei aqui para facilitar, e por ser mais rapido, só que a resoluçao não fica tão boa:

http://www.youtube.com/watch?v=TB_DrgSSeYU

escolhi este excerto de filme porque é o unico em que realmente se vê que há um encosto do cotovelo do Candido
nas costas, no dorso, no peito, nas costelas, ou o que quiserem chamar, do francês. é esse encosto que leva o francês a desviar a trajectória.

no filme em que se vê o sprint do heli ou de frente, é impossivel ver esse toque, que é lateral, e que repito, foi involuntário, mas obriga o francês a defender-se duma possivel queda. quem anda de bicicleta sabe que levando um toque desses tem que encostar e fazer força para o lado de onde leva o encosto para se aguentar.

não tenho nada contra o Candido, só não percebo porquê tanto teatro... até na chegada em Viana do Castelo em que não teve a minima hipótese, se fartou de gesticular. vontade de dar nas vistas, ou estragar a foto aos outros ?

costinha disse...

Bom, esqueçam tudo o que para trás escrevi, já ando a ver tudo turvo, deve ser da doença, peço desculpa.

mas vejamos o que diz o "clã anti-cândido" Pedro Martins, Marco Chagas, Sérgio Paulinho, sobre o
assunto:

http://www.youtube.com/watch?v=TqQn3YNteDA

majv disse...

Obrigado Costinha.
Então é assim...pelas imagens que agora pude ver e rever:
1º-Afinal o que me pareceu no domingo, confirmo agora que foi mesmo...o toque é dado pelo Cândido, por traz do cotovelo do francês, não conseguindo eu precisar se é mesmo no cotovelo, como me pareçe, ou no torax como diz o Costinha.
2º-Reparem nas trajectórias das 2 bicicletas, orientando-se pelo limite da sombra das barreiras. Qual é a bicicleta que se aproxima mais dessa linha? Logo, qual a bicicleta que mais se desviou da trajectória mais curta até á linha de chegada?
Eu vi o que vi.
Cada um é livre de ter a sua opinião, porque felizmente, ainda não se paga imposto para isso.
Detesto futebolizar o ciclismo e os seus espaços, mas este caso, faz lembrar a "intensidade" das cargas de ombro, que nuns casos dão penaltyes e noutros não.
Um abraço para vocês
Manuel Vitorino

mzmadeira disse...

Com tanta coisa a merecer comentários, em relação a esta Volta, afinal, pelo menos aqui - e assumo a culpa por ter lançado o tema - parece que tudo se resume ao último sprint!!!

Frisei, e pensei que tinha ficado claro, que, independentemente dos INTERVENIENTES, o Colégio de Comissários decidiu mal!

Eu vi a chegada em directo, na TV, ouvi o imediato comentário do Marco e logo concordei com ele. Achámos os dois a mesma coisa.

Aliás, no dia seguinte, a esmagadora maioria das análises coincidiram com aquilo que eu, aqui em casa, e o Marco Chafas no local, vimos. E já aqui ficou demonstrado que houve mais quem tivesse viste... o mesmo.

Foge - no sentido de discordar - a esta quase unânime opinião o Carlos Flórido que aqui relata outra qualquer chegada que não aquela que eu vi. E, mais curioso ainda, e repito-me, a minha opinião mantém-se e não se alterará, sendo factual. Já me esqueci dos nomes dos dois corredores envolvidos. Não interessa.
(Claro que é uma figura de estilo...)

Recordo, porém, que o próprio Cândido confessou que só acha que venceu uma etapa quando pode levantar bem alto os braços. Que assim não lhe deu gozo...

Curiosamente, e na 5.ª feira porque estava no Hospital não pude ver a chegada a Castelo Branco em directo, vi depois, primeiro, o Cândido... cândidamente a jurar que nãio cometera qualquer infracção quando 'varreu' completamente a avenida da direita para a esquerda, se não impedindo, pelo menos perturbando a acção dos seus adversários. No resumo da Volta, o mesmo Cândido, como pessoa bem formada que é, sem nunca chegar a admiti-lo já diz que 'vinha de cabeça baixa e não me apercebi...'

Todos ouvimos e lê-mos que, mesmo sem o dizer clara e inequivocamente, no fundo estava a reconhecer que aceitava a desqualificação porque ele também viu as imagens, caramba!

E, estou certo, porque sei que o Cândido é um Homem de bem que, não tivesse sido o caso de ter acontecido na última etapa da Volta - e o Ciclismo nacional vai hibernar durante uns meses - se alguém, no dia seguinte, dois dias depois ou AMANHÃ, entrar em contacto com ele e lhe perguntar o que acha, realmente, da chegada a Lisboa, como Homem de bem, repito, apostava que ele, Cândido, reconheceria que não aconteceu nada para que a vitória lhe fosse oferecida.

Diz o Carlos Flórido, numa das suas intervenções, que se calhar está a precisar de mudar de óculos...

Se eu vendesse óculos mandava-o calar de imediato e apoiava-o, clamando contra a falta de visão de todos os outros (sabem aquela anedota da mãe que vai ao juramento de bandeira do filho e babada diz 'vai todo o pelotão de passo trocado só o nosso Zé é que vai certinho', não sabem? - aqui, neste caso, só ainda não entendi a necessidade quase desesperada de o Carlos aparecer a defender o Cândido... não admitindo sequer que possa ser ele a estar errado (e, tendo em conta o que já aqui foi publicado, e mostrado...)

Esgrime com um mui arrebitado 'informei-me antes'...

Pois parece que houve quem, sem ter necessidade de se... 'informar', obteve uma reacção diametralmente oposta.

E agora?

E já passou. E o Cândido não tem nada a ver com isto, não foi ele quem decidiu, porquê insistir no Cândido quando, logo na primeira vez eu deixei bem vincado, repito-me, que, independentemente dos nomes dos protagonistas, assisti... vi com os meus olhos, testemunhei... uma decisão ERRADA por parte do Colégio de Comissários.

O Carlos não dá o braço a torcer (eu daria), mas caro Carlos... mais uma vez estás errado.

Um abraço.
MzM

costinha disse...

eu tinha deixado outro comentario mas provavelmente não seguiu..

lá no youtube está outro video que eu coloquei. é fácil localizar.

peço desculpa a todos por me ter intrometido neste assunto. decerto haverá(ia) outros mais interessantes para discutir. pachorra é que já vai faltando.

mzmadeira disse...

António Costa (e porque nós não teremos assim tanta diferença de idade, provavelmente eu até sou mais velho, vamo-nos tratar informalmente, ok?), provavelmente... não, de certeza, tu foste o único que contribuiu com algo factual para esta discussão!

Concordo que este assunto deve ser encerrado... mas já lancei outros à discussão, e conto com a tua participação...
abraço,
Manuel José Madeira

costinha disse...

Madeira, próxima semana (completa)... Santa Maria.
ciclismo não consta lá no cardápio.

abraços e saúde para todos.