sábado, janeiro 22, 2011

ANO VI - Etapa 13

VENCEU LEGITIMAMENTE, PARABÉNS.
AGORA QUE ACEITE QUEM O POSSA AJUDAR
(A família do Ciclismo está dividida...
e mostrou-o claramente)

Começo com uma rectificação. Escrevi na Etapa anterior que a FPC ia a votos para quadro (de quatro anos) do próximo Ciclo Olímpico. A Lei de Bases assim o obriga, mandatos coincidentes com os ciclos olímpicos.

Agora, é verdade, quem é que não sabe que os próximos Jogos serão no próximo ano, em Londres? Logo, a minha tentativa de fazer ironia foi de todo aparvalhada. Quem nunca errou que me atire a primeira pedra!

O dr. Artur Lopes vai apenas cumprir os dois anos que faltam para o fecho do Ciclo Olímpico. Ok.

Mas não era obrigado a isso. Como depois já não vai poder concorrer, e como, todos sabemos, mesmo fora do palanque continuará a 'aconselhar' o seu já anunciado delfim, bem que podia tê-lo posto já a cumprir o tirocínio... Teria lógica.

Agora vamos a factos.

Como se processam as eleições nas diversas federações que respeitam a Lei de Bases do Desporto aprovada 'há séculos' pese embora ainda haja 'irredutiveis' Lourenços Pinto que não vêem, não ouvem, mas não se coibem em falar julgando que ainda estão nos tempos dos famigerados 'chitos'?

Tendo em conta o número de filiados que representam, e respeitando o rácio previsto na Lei, associações distritais/regionais, associações de Corredores, de Treinadores (no Ciclismo não há). de Organizadores (no Ciclismo não há) e de Árbitros elegem na devida proporção delegados que, esses sim, terão, em nome dos que representam, direito a votar.

Foram eleitos, para o acto eleitoral que hoje decorreu - quase 'clandestinamente', não por culpa da FPC mas por falta de informação ao público - 66 delegados com direito a voto.

Desses... apenas 26 votaram. Não sei pormenores...

Continhas feitas, e a matemática é uma ciência exacta, apenas 39,4% dos putativos votantes o fizeram. Quatro em cada dez, arredondando.

Dos 26 que depositaram o seu voto na urna, dois votaram contra ou nulo, ou em branco, daí que a percentagem 'esmagadora' com que o dr. Artur Lopes foi reeleito - 92,3% - mão valham mais do que 36,3% do universo de eleitores. Pouco mais do que um em cada três.

E é assim que os resultados devem ser lidos. Dos 66 delegados com poder para votarem, apenas 24 deram o seu amém à continuidade do dr. Artur Lopes. Tendo em conta que a Lista para a Direcção contém OITO nomes... que, naturalmente votaram neles próprios, sobram 16!

É mais do que evidente que a Família do Ciclismo está estilhaçada. E não vejo como dar a volta a isto quando o que se nos depara será uma solução monárquica, com um 'herdeiro' há muito escolhido na primeira linha à sucessão.

A não ser que haja uma grande revolução. A todos os níveis.

5 comentários:

Cicloforum.pt.vu disse...

Parabéns Madeira!!
É preciso que alguém explique e exponha estas situações pois a partida tudo parece muito lógico mas bem explicadinho vemos que existe um grande monopólio no ciclismo Português!
Mais uma vez PARABÉNS!

www.cicloforum.pt

José Luís Ribeiro disse...

Eleições FPC: Delegados do Minho protestam não comparecendo à votação

Depois da retirada de apoio à lista única de Artur Lopes à presidência da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), os delegados do Minho protestaram contra o incumprimento das deliberações da Assembleia-Geral não comparecendo à votação. Fazendo-se representar “simbolicamente” por apenas dois elementos, a ausência em massa dos delegados do Minho contribuiu fortemente para que a taxa de abstenção ultrapassasse os 60%.
Os delegados do Minho retiraram o apoio às candidaturas aos órgãos sociais para o mandato 2011/12 do presidente da FPC, Mesa da Assembleia-Geral, Conselho de Disciplina e Conselho de Arbitragem, mantendo, porém, o apoio às candidaturas aos Conselhos de Justiça e Fiscal da FPC, cujas listas foram propostas e integram elementos do Minho.
Após esta tomada de posição e da intenção de participar apenas simbolicamente na votação, foram vários os delegados de outras regiões que expressaram a solidariedade com a posição minhota e também faltaram ao acto eleitoral. Ao contrário, os delegados do Algarve foram os que mais participaram nas eleições, tendo cinco dos seus sete delegados exercido o direito de voto.
Com a reduzida participação de 26 delegados, Artur Lopes foi reeleito com 24 votos a favor e dois brancos, resultado também alcançado por Francisco Manuel Fernandes que sucede a Macário Correia na presidência da Assembleia-Geral da FPC. Recorde-se que a Associação de Ciclismo do Minho tinha exigido, em Março do ano passado, a demissão de Macário Correia que deste modo abandona o cargo.
José de Melo e Castro e Henrique Castro foram eleitos, respectivamente, para a presidência dos Conselhos de Disciplina e de Arbitragem, com 22 votos a favor e 4 votos brancos.
O Conselho Fiscal, que passa a ser liderado por Luís Caleia Rodrigues e integra um elemento indicado pelo Minho (João Paulo Rodrigues), foi eleito com 25 votos a favor e um branco.
Mesmo sem a participação dos delegados minhotos na votação dos órgãos sociais, a lista para o Conselho de Justiça proposta pelos delegados do Minho foi eleita com 17 votos a favor, 8 brancos e um nulo. Paulo Osório foi, assim, eleito presidente do Conselho de Justiça, tendo como vogais Rui Barreira e Ângela Oliveira.
A posição adoptada pelos delegados minhotos surge depois de várias notas enviadas a Artur Lopes, nas quais exigiam o cumprimento de diversas deliberações da Assembleia-Geral de 20 de Novembro.
Os delegados da ACM contestam que “nenhum dos assuntos tenha merecido até agora qualquer resposta ou anúncio de decisão”, estando entre eles questões relacionadas com a própria participação dos delegados nas Assembleias-gerais da FPC, a prestação de esclarecimentos relativos ao orçamento de 2011, o ciclismo profissional, o plano de formação para 2011, a modernização dos processos administrativos federativos, o Congresso Nacional de Ciclismo e o conteúdo da acta da Assembleia-Geral de 13 de Março de 2010.
“Tornam-se inaceitáveis os indícios da intenção da Direcção da FPC fazer tábua rasa das deliberações. A Assembleia-Geral é o órgão máximo da Federação Portuguesa de Ciclismo e os delegados representantes dos clubes da Associação de Ciclismo do Minho, entre outros, não pactuarão com o desrespeito das suas deliberações”, refere a última carta enviada a Artur Lopes.

www.acm.pt

José Luís Ribeiro disse...

Pela internet têm surgido alguns comentários sobre o assunto que denotam desconhecimento.
Assim, a quem está menos familiarizado com o assunto, sugerimos a leitura do dossier disponível em http://www.acm.pt/_docs/noticias_1316_2.pdf

Mariana M. disse...

Burro.

A Direcção não vota, quem vota são os delegados, eleitos para o eleito.

mzmadeira disse...

Parabéns a eles.
Aos delegados eleitos para [garantirem] a eleição do... ELEITO!

Recordo que foram 24, mais dois que votaram em branco, num universo de 66.

Sabe, por acaso, quantas patas tem uma burra?
[Não escrevi BURRO propositadamente para não me julgarem mal intencionado...]