sexta-feira, fevereiro 25, 2011

ANO VI - Etapa 27

AGORA, AMIGO...
É MOSTRARES QUE NÃO FORAM
CAPAZES DE TE DESTRUIR...

Não posso dizer que não tenham havido, antes, mais casos de tão profunda insistência, mas estes dois são paradigmáticos.

Na tristemente 'célebre' operação PCC - cuja legitimidade eu ainda hoje questiono, e gostaria que mo provassem que não foi 'legalizada' só após a denúncia que SÓ eu fiz (e tinha razão, o, à altura, CNAD, NÃO PODIA beneficiar de uma busca policial pois a sua intervenção limitava-se, o que hoje continua a ser verdade para a ADoP, a recolher amostras fisiológicas, não a vasculhar, seja debaixo da cama, seja na casa de banho, garagem ou mesmo carrinhas de apoio das equipas) - que um dia destes valerá uma comenda ao seu mentor, o João Cabreira nem sequer foi alvo de buscas em sua casa.

Solidário com os companheiros de equipa fez questão de se sujeitar aos mesmos testes. Resultado destes... a memória já me atraiçoa, não estou velho mas estou doente, não foi tudo negativo?

Os Corredores castigados foram-no por terem sido apanhados na posse de produtos dopantes. Não que tivessem dado positivo em qualquer controlo.

Mas o João Cabreira vinha a ser 'marcado em cima' já há algum tempo, na altura. Até porque, negativo o seu controlo e apenas com um companheiro de equipa, poucos dias depois se sagrou Campeão Nacional de Estrada. Título que lhe roubaram.

No meio tempo, 'faltou' a um controlo surpresa que lhe foi montado... no País Basco. Mau grado ele sempre tivesse garantido que, embora fosse verdade que tinha alugado aquela casa, NAQUELA altura ainda lá não tinha chegado porque viajara - após uma corrida ali realizada pela equipa - para Portugal e que, só depois de ter tido autorização para ter uns dias de férias, já combinadas, mas que o obrigaram, de qualquer dos modos, a viajar com a equipa para Portugal - regressou a Espanha.

NINGUÉM procurou reconstituir essas viagens. Falo da CS.
NINGUÉM, da mesma CS, esteve naquela localidade e procurou saber se, de facto, alguém por lá apareceu à procura do João... Não é estranho?

Não duvido que a equipa do CNAD tenha apresentado quilómetros e recibos de portagem de auto-estrada - aqui afirmo, com conhecimento de causa, que se atravessa toda a Espanha em vias-rápidas sem custos para o utilizador, logo, é mais do que provável que não haja recibos.

Então, como foi dado como provado - com todo o respeito pela idoneidade da equipa do CNAD - que este lá esteve? Disse que esteve. E que não encontrou a casa. E que perguntou onde era e ninguém soube explicar...

Ao mesmo tempo, o João explicou que, no dia e à hora que o CNAD afirma lá ter estado, ele ainda lá não chegara, ia em viagem. Não atendeu o telemóvel? Quem conhece aquela zona de Espanha, 'escondida' pelos asturio-cantábricos Picos da Europa que vão além dos 3 mil metros de altitude?
Eu conheço. E podia o aparelho estar desligado. E poderia ter-se esgotado a bateria...

Porque se escreveram notícias como se fossem reais sem que ninguém se tenha dado ao trabalho de lá ir... Toda a gente soube a localização da casa. Eu próprio aqui coloquei fotos dela. Se lá tivessem ido poderia, pelo menos, ter sabido duas coisas: perguntando no tal café - e não deve lá haver muitos - se, de facto, algum português tinha aparecido a perguntar por aquela morada (o que também seria insuficiente porque se trata de uma zona de casas dispersas, para aluguer temporário como turismo de habitação - ninguém ligou a isto), depois, verificando se havia, ou não sinal de rede de telemóvel sendo que isto seria, em todo o caso, relativo. Podia não haver no local onde o João circulava naquele momento.

Sabem quantos quilómetros e túneis tem a auto-via desde a entrada nas Astúrias, saindo de Portugal por Bragança, até Bilbau?

Mas nem foi (só) por isso que o João Cabreira levou dois anos de castigo. Provavelmente não sabem, como eu sei, que eu Lausana os próprios 'julgadores' se sentiram defraudados. Obrigados a serem, como devem ser, imparciais perante os factos apresentados e defendidos por cada uma das partes, desabafaram, no final da audiência, garantindo que se o João tivesse tido hipóteses (financeiras, é claro), de ter apresentado um especialista técnico (que não jurídico, que não o pode ser) teria saído ilibado.

Ainda hoje, aquilo que, pretensamente - e também aqui o então CNAD, não poupando o nosso dinheiro não 'largou o osso' -, o João terá acusado não consta no index dos produtos proíbidos.

Ensurdecedor o silêncio da CS em Portugal.

Mas terminou hoje o castigo de dois anos imposto ao João.
Não falo com ele há já alguns meses, mas espero que se sinta, animicamente, com forças para voltar a mostrar, onde ele é bom, na Estrada, que podemos contar com ele para a nova temporada.

Caro João,
Um forte e sentido abraço de solidariedade. Eu acredito em ti. Nós, acreditamos em ti...

E, como disseste aos jornais que procuraram ouvir-te... aposta nessa! Uma vitória na Volta a Portugal humilharia quem tudo fez para te destruir e reduziria ao seu estatuto de 'zé-ninguém' quem se absteve de te defender.

Apesar da descarada perseguição de que foste alvo.


VOLTEMOS AOS PITOGRAMAS

O último tem a ver com Contador que, apesar de absolvido pera RFEC, ainda não está livre da canina vontade da UCI mas, principalmente, da AMA, de vir a sofrer um penalizador revés.

Tenho lido comentários de arrepiar porque há quem não tenha a mínima vergonha de botar opinião sem saber do que está a escrever. Aquele número com DEZ zeros depois de uma vírgula, seguidos de um 5, que está na base de toda a polémica reduz esta por terra. Para aceitarmos qualquer espécie de penalização a Alberto Contador seria ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIO que TODOS os controlos a TODOS os Atletas, que não só aos Corredores de Ciclismo, fossem 'esmiuçados' até à mesma profundeza. Fazer passar as amostras de uns pelo laboratório de análises que fica aqui na esquina da minha rua, e a de outros, escolhidos a dedo, sujeitos a uma tecnologia de ponta é desonesto!

(Salvaguardando as devidas diferenças, vem-me à memória a forma como, mesmo com TODA a polícia de Chicago sabendo que Al Capone era o Senhor do Crime na cidade, para o prenderem tiveram que recorrer a um 'manga de alpaca' de um funcionário das finanças. E foi por fuga ao fisco que ele foi parar à cadeia.)

2 comentários:

Jorge disse...

Pitogramas?????

Isso não existe. Não seriam Picogramas?

mzmadeira disse...

Se calhar até existe, mas tens razão.... era picogramas que eu queria escrever. Obrigado pela correcção, um abraço.