sábado, fevereiro 20, 2010

ANO V - Etapa 34

VOLTA AO ALGARVE NA TV

Primeira emoção: não vou ao exagero de dizer que me vieram lágrimas aos olhos - não seria verdade - mas que me tocou fundo... tocou. Desde há semanas que nos foi dito que a Volta ao Algarve teria resumos na EuroSport.2. Cheguei a ler que eram três, mas só hoje pude chegar a casa a tempo de ver com os meus próprios olhos.

Para saber a que horas passava, tive de usar a internet. Os jornais desportivos, e só o Record 'dá' a programação da EuroSport.2, trazia um horário enganador.

Foram cerca de 15 minutos, a partir das 23.45 horas.
Infelizmente, e confesso que não sei como a estrutura portuguesa do canal funciona, os comentários foram em inglês. Mesmo quando Contador falava em castelhano, ou o Tiago Machado e português, a narração em inglês abafava as suas declarações.

Quantos portugueses, à alta de informação concreta, viram o resumo de hoje, ou os dois anteriores? Não sei. Quantos terão usufruído apenas das imagens, porque não entendem a língua em que os comentários são feitos?... Calculem vocês!...

Há uma falha? Provavelmente. Os homens da EuroSport Portugal, uma vez que o resumo é emitido a esta hora, bem que poderiam fazer o 'sacrifício' de perder uma hora - eu sei que um resumo de 15 minutos pode levar uma hora a preparar - logo a seguir ao jantar, para narrarem na nossa língua aquilo que é posto no ar.

Se o fazem em relação a Corridas com as quais nada temos a ver... Mas, como sublinhei, não sei como funciona a coisa.... provavelmente não têm acesso ao resumo antes de este ir para o ar. Sobrava a tradução em cima... não é uma crítica. É uma constatação.

E o mais importante é que por toda a Europa - e sei que o canal é anglófono, e não tenho a mínima ideia se, nos diversos países onde é emitido, merece honras de tradução - a Volta ao Algarve está a aparecer. Com bonitas imagens da Região, com corredores - estrangeiros - a dizer bem da prova e é isso o que interessa.

Ficamos a dever mais esta à Associação de Ciclismo do Algarve.

Em relação à cobertura - e refiro-me aos três jornais 'desportivos' - que está a ser feita por cá... falarei mais tarde. Mas deixo já uma achega...

É a mais importante prova que se realiza no nosso País. É a que tem os nomes internacionais mais sonantes... Mas também estão a participar CINCO equipas portuguesas...
Alguém que lhes dê voz...

O Ciclismo português está a precisar de todo o apoio e, desde que não fosse para 'choramingar' que o ordenado de um Contador é maior que o orçamento total do Tavira, ou que 'eles já trazem alguns quilómetros nas pernas e nós estamos a começar', desculpa que eu me habituei a ouvir... Em vez da história - de quase uma página - , com nome de mulher e filhas, já nem sei se do cãozinho também, de um Atleta que me merece todo o respeito mas que não me diz nada de nada... porque não dar esse espaço a um Director Desportivo de uma equipa nacional? Porque se corre o risco de ter que se escrever críticas à Federação Portuguesa de Ciclismo? Só por isso?
Ou por isso?

Vocês sabem do que eu estou a falar.
[Obrigado Octávio Machado]

2 comentários:

José Luís disse...

Tem o Manel toda a razão. Uma página sobre o Leipheimer, uma págima sobre o Samuel Sanchez e ainda uma página sobre o tal Andre (sem acento, que nos países anglo-saxónicos não há acentos) Greipel, 'roubando' espaço à divulgação daquilo, bom ou mau, que os PORTUGUESES estão a fazer nesta prova que é portuguesa... poderá ser explicado como?

O Manel sabe, como eu sei...
As equipas portuguesas não distribuem folhetos com a hist+oria e entrevistas institucionais dos seus corredores...

Mas olhe, Manel... não páre, não se amedronte... dê-lhes na cabeça. às equipas portuguesas. Nem todas, mas há as que têm um departamento de imprensa... que façam o mesmo.

Façam as 'entrevistas' aos seus corredores e as entreguem nas salas de imprensa... há-de haver sempre quem as assine. ;-)

Desde 2005 que não vem aqui ao Algarve, quando o poderemos ter de volta?

mzmadeira disse...

Caro Zé Luis, antes de mais um abraço...

Enquanto se lembrarem de nós, não estamos completamente ausentes. Um bem hajas.

Vou confessar uma coisa... ponderei muito ants de 'autorizar' o teu comentário e depois cheguei àquele ponto que sempre tem regido a minha vida: sou um Homem ou im invertrebrado?

E publiquei o teu comentário...

Mas...
... mas há coisas que vocês não sabem. Nem eu sei....

Por isso, e só agora tive oportunidade de aqui vir - maldita constipação que me tem estado a roubar tempo na folga - e com argumentos reforçados... não é só um jornal que está a fazer isso...

A pergunta que deixo no ar - sem que reinvidique qualquer resposta, é esta... porque não tivemos ainda, por parte de nenhum dos três jornais desportivos, declarações do Vidal Fitas, do Mário Rocha.... do José Marques...

Sim, provavelmente seriam declarações a apontar para a abismal diferença entre a realidade do Ciclismo nacional e.... do outro, que, é evidente, está a dominar a corrida.

É óptimo para a Volta ao Algarve e, consequentemente, para o Ciclismo português, que os grande nomes dominem a corrida.

Isso é relatado nas crónicas.

O que não estou a entender é que a parte de reportagem paralela tenha vindom a ser feita à custa de 'biografias' institucionais... de estrangeiros, o que nada vem acrescentar às reportagens.

Nem que fosse o professor José Santos a defender que estas provas não deviam existir, e que o Ciclismo português só é genuíno quando os veteranos do pelotão continental se batem com os jovens sub-23. Só assim se pode salvar o Ciclismo nacional... Ele diz isto há 20 anos...

Temos corredores lusos a competir por menos de um terço do ordenado que auferiam o ano passado...

E há aspectos da Corrida, em termos de organização que nos interressariam, aos adeptos, muito mais do que o portfólio do Samuel Sanchez - hoje foi o Record que não resistiu - que todos podemos ler no seu site pessoal...

Camaradas! A ajuda que o Ciclismo português espera de nós não passa por aí...

Caberá a cada um encontrar um ponto de partida para uma reportagem que nos prenda, que nos diga alguma coisa...

Se me senti constrangido ao avalizar o comentário do Zé Luís (não sei amigo, provavelmente não voltarei ao Ciclismo...) que apontava, porque era, até à altura, o únco exemplo, ao trabalho de um mero colaborador de um jornal, quando hoje vi a jornalista pertença do quadro profissional de um outro jornal seguir o mesmo caminho... fiquei mais descansado.

Mas tá mal!...