sábado, fevereiro 27, 2010

ANO V - Etapa 39

EU TAMBÉM NÃO ESTOU CONVENCIDO!...
(para perceberem o título, leiam, por favor, o comentário adicionado à Etapa anterior)

Vamos lá ver uma coisa, e não estamos aqui a falar de 'fait divers'...

Escrevi na Etapa 38 que não 'engulo' a tese de que um fármaco - o corpo humano não o produz - pode ser resultado da metabolização de qualquer outra coisa.

Não sou médico, muito menos cientista, mas porque acho que é fundamental nesta estória, com todo o ar de estar a ser mal contada, não o deixar passar em claro. Por isso reproduzo o que o meu colega escreveu. E ele não o inventou, de certeza. Teve acesso ao relatório do processo, ou alguém lho leu. Ele soube, e escreveu.

Isto: 'Depois de vários pareceres, sem certezas e esgotados os limites da ciência...'

Esgotados os limites da Ciência!

O que escrevi mereceu um comentário que me remete para aqui...

Estive a ler, aliás li e reli... mas a maldita 'pulga' não salta detrás da minha orelha!

O Senhor Professor Doutor LH debita uma explicação para leigo com o sempre conveniente 'patrocínio' de um site que se pela por crucificar em Praça Pública tudo o que 'cheire' a Corredor pretensamente dopado.

Eu sei que sou chato, mas contra factos - façam lá os exercícios de contorcionismo que quiserem - CONTINUA a não haver argumentos.

Os mesmos, ou o mesmo, que não desiste da estória PCC, não baixa a guarda no(s) caso(s) Cabreira - desculpa lá João, por citar o teu nome - presta-se, depois de ter lido aquilo que escrevi, a uma clara e inequívoca manobra de branqueamento de casos, realmente, concretos.

Lamento imenso pelos miúdos. Não me custa nada acreditar que tenham sido vítimas de terceiros... agora, esta ridícula tentativa de tapar o sol com uma peneira, isso é que...

Não. Não comento!

O caso está em aberto. Leiam todos os comentários, alguns deles bastante elucidativos. Por exemplo, o que demonstra que o produto original - que é avançado como base de sustentação de toda a outra argumentação - já foi punido.
Qual a diferença entre listas de produtos proíbidos... não sei.

E sobra a incómoda constatação...
Dois organismos, que serão, por certo, diferentes, de duas pessoas no mesmo aglomerado-alvo e praticamente coincidido no espaço temporal, reagem exactamente da mesma forma!!!

Que prossiga a discussão... Eu estarei atento.

6 comentários:

Paulão disse...

Madeira,

Como sempre disse, punam-se os culpados ilibem os inocentes.

Mas nestes dois casos particulares algo está mal, das duas uma, ou os atletas usaram realmente substâncias proibidas, ou então, salvo melhor opinião, parece que quem fez as analises terá eventualmente sido pouco profissional agido de forma leviana.

A comprovar-se a inocência dos atletas não há qualquer indemnização que possa cobrir os danos causados há imagem dos atletas, do clube e da modalidade.

Será caso também para perguntar:
Se o “Jogo limpo – Manifesto pela ética desportiva” estivesse em vigor, como aplicariam a sua 6ª intenção de se agir judicialmente contra os prevaricadores?

Será caso também para perguntar:
Com base na informação disponível na Internet e Comunicação Social, quem é/são o (s) prevaricador (es).

Obviamente que não me vou pronunciar sobre a explicação do sr. Luis Horta até porque não tenho conhecimentos para tal, mas posso sempre deixar (desculpem a hipérbole) a minha opinião pessoal, mas que cheira a esturro lá isso cheira...

Paulão disse...

Ainda neste texto fazes uma alusão ao caso do Póvoa Cycling Club e ao sítio na Internet jornalciclismo.com.

Realmente as gentes poveiras deveriam fazer mal a muita gente, não sei, digo eu…

Também nada tenho contra a Equipa Continental entretanto extinta Liberty Seguros, contudo basta analisar a maneira como o tema foi abordado pelo sr. José Carlos Gomes e eu não fico com dúvidas que terá havido uma possível dualidade de critério nos textos por ele publicados no referido sitio.

Apesar dos critérios de publicação de textos e conteúdos no sítio na Internet em questão, continuo a achar que globalmente o trabalho efectuado é positivo e ajuda na divulgação da modalidade.

mzmadeira disse...

Caro Paulo,

tens tú toda a razão - como quase sempre - ao chamares para aqui um FACTO, uma coisa que aconteceu, foi noticiada e ninguém pode agora negar...

Os dois jovens APARECERAM COMO CULPADOS. Quem fez as análises não teve dúvidas... e agora, todos estes meses passados, heis-nos perante uma charada que ninguém entende.

Uma vez mais, o sacrificado é o Corredor. Agora, e OFICIALMENTE, pese embora não seja só eu a desconfiar que nos querem enfiar o 'barrete', deixaram de o ser.

Deixaram? E as marcas de que tu, muito bem, falas? Já nem digo o que terceiros podem pensar dos miúdos, mas o que eles próprios pensam, os danos psicológicos e morais... fora o resto.

Quem os resarcia disso?

Na Sociedade Civíl há - felizmente, tanto quanto eu tenha conhecimento, não muitos, mas há - casos de pessoas condenadas a prisão, que cumpriram a pena por completo, ou mesmo só parcialmente para, mais tarde virem a ser reconhecidas como inocentes. E os anos que perderam em clausura?

Mal comparado... é mais ou menos a mesma coisa.

Paulão disse...

Madeira,

Que ninguem está a ler, mas o sr. Artur Lopes por certo irá arranjar uma solução, quem sabe talvez arranjar um subsidio qualquer da U.V.P./F.P.C. aos visados, digo eu não sei.

Mas sobre subsidios ainda tenho um bem presente um de 500,00€ para a A.C.P. nop ano passado (no tempo em que ainda era o Presidente-adjunto ou Vice-presidente como queiram chamar) e a comunicação da sua retirada no dia 25 de Abril em Felgueiras.

Mas como aparentemente estou a difamar suposta pessoa nada como me processarem judicialmente pelo crime de difamação, tanto mais que eu até estou aqui identificado...

Ou seja, será que estou a insinuar que há peita (presente do verbo "Peitar") na U.V.P./F.P.C.?

mzmadeira disse...

Sinceramente, espero bem que não...
era o que faltava, com tantos problemas que assolam a nossa querida modalidade - e com os constantes apelos que, tanto tú como eu vimos a fazer para que as pessoas se reúnam e discutam, fria e seriamente o que queremos que seja o Ciclismo em Portugal - que se aproveitassem deste Fórum, e da liberdade de opinião que concedo a todos, a mesma que tomo para mim, se preocupassem mais em nos processar do que em nos ouvir.

Sem pingo de narcisismo... eu consigo vislumbrar soluções para travar a queda da Modalidade e, arisco dizer, num curto espaço de tempo - dois/três anos - colocar o Ciclismo Português no mapa Mundial.

Qualquer mente mais aberta e, caramba, todos me conhecem há tempo suficiente para de mim terem uma ideia, quanto ás minhas capacidades, já me teria perguntado. Não é preciso convidarem-me para um almoço, muito menos pagar-mo. Só ponho uma condição: tudo terá de ser público.

Salvador disse...

É óbvio que este caso não acaba aqui basta estarmos atentos. Estamos a falar de dois casos e não de um ou seja João Pinto e Daniel Freitas. Veja nestas pessoas muita astucia, ora vejamos João Pinto Cadete ilibado, Daniel Freitas ainda não se sabe, porque não foram divulgadas em simultâneo as situação? é muito simples a decisão sobre João Pinto é um espécie de teste a comunidade do ciclismo para ver reacções medir o pulso “para já vamos lançar a decisão do cadete, é mais novo ainda uma criança terá mais aceitação por parte da critica, depois vemos o que fazer ao Daniel”. Caros senhores da forma como todos reagiram negativamente a esta decisão vamos apostar como o Daniel leva 6 meses de suspensão? Assim ficamos todos satisfeitos e calam-nos e fica o objectivo concluído do dito núcleo duro ou seja os atletas poderão competir esta época como se nada se tivesse passa:)
Parece a teoria da conspiração mas veremos se tenho ou não razão.