domingo, julho 19, 2009

II - Etapa 483

COMO UM ASSUNTO PODE LEVAR A OUTRO,
APARENTEMENTE SEM NADA A VER

Enquanto faço a digestão, porque cheguei há pouco a casa e, apesar de o jantar ter sido apenas uma sopita não gosto de me deitar logo a seguir, lá fui dar ma espreitadelas aos meus sítios favoritos.

Bem... fica à mostra que não tenho mesmo andado com tempo.
Porquê?
Porque só agora li uma notícia com três dias e que dá conta da pretensão de o Manel Zeferino vir a correr a Volta a Portugal Masters.
Já tem equipa e tudo.

É longo o rol de comentários.
Nem todos descabidos mas, a maioria a fazer vingar aquilo que os seus autores acham, atropelando aquilo que tem de ser respeitado.

Neste momento, desde o dia 27 do mês passado, não há ninguém do PCC impedido de exercer a sua actividade.
Neste caso, o Manel até regressa à bicicleta, mas se regressasse como DD não o podiam impedir.

[Faço um parêntesis para me referir a um dos comentários que diz, mais ou menos isto, cito de memória: "Espero que o Zeferino seja tão bom ciclista como foi DD". O Manel não terá sido um fora de série mas - e acredito que quem escreveu aquele comentário seja ainda um jovem - ganhou uma Volta a Portugal e uma Volta ao Alentejo, entre muitas outras vitórias, como Corredor.]

Mas voltemos atrás.
Continuamos sem perceber porque tarda tanto em resolver-se o processo judicial. Continuamos sem perceber porque é que o órgão disciplinar da FPC, que não vai poder escudar-se naquilo que o Tribunal Cível decidir para tomar uma decisão... ainda a não tomou.

Já tomou. Há castigos - o mais provavelmente é que já foram 'cobertos' pelo ano de suspensão preventiva e apenas contem para registo - para serem divulgados.
Porque o não foram ainda?

E... se nos próximos 30 dias rebentasse uma bomba que viesse a abalar o casarão rosa da Rua de Campolide?
Se houvesse quem falasse de uma irregularidade que, quem sabe, está a calar?
E é uma coisa, reconheço, de lana caprina, bastava que fosse publicamente assumida, e até aprecio gestos de reconhecimento... mas há um caso que nos está a ser escamoteado.
Imaginemos que algum OC, com penetração a nível nacional assumia a denúncia.

No dia seguinte haveria páginas inteiras a, finalmente, dar-nos conhecimento dos castigos e dos nomes dos castigados no 'caso-PCC'.

Isso só está ainda guardado porque é o único argumento que pode ser utilizado para, em nome de um Ciclismo 'limpo', ou do trabalho 'incansável' da FPC para que aconteça esse Ciclismo 'limpo', a outra coisa passe a uma, embora tardia, notícia breve.
Natural... porque o é.
Mas com implicações a nível regulamentar e jurídico parvamente expostos.

Tinham comunicado a verdade - ia haver, sempre há quem rosne e ladre - mas a esta hora a situação já tinha sido assimilada por todos.

[Aqui, confesso que não tenho conhecimentos suficientes para poder dizer que... o caso é tão grave que poderia ter consequências desastrosas para o Ciclismo português, em termos imediatos... ]

Viram isto ontem?

Confirmem aqui... (@)
e perdoem-me a imodéstia... e vejam aqui (*)

Mas que prevaleça o bom senso que que não se 'mate' o Ciclismo por erros processuais.

Gosto deste termo... Nos últimos três anos a FPC perdeu uma dúzia de processos por... erros processuais.

A João Lagos Sports já não organiza esta Volta.
Logo... a EDP está de fora...
e a PAD... morreu.

Quem organiza a Volta então?

1 comentário:

paulao disse...

…e a procissão ainda nem saiu do adro da igreja.

Grande parte do futuro do Ciclismo Português na vertente estrada está agora em causa.

Reparem na quantidade de corridas que foram canceladas ao longo do ano e ainda faltam mais de dois meses para a época de estrada acabar.

Se analisarmos com atenção a grande maioria das provas de ciclismo nos diversos escalões é feita com dinheiros da PAD por força do contrato da organização da Volta a Portugal (excepto na categoria Veteranos).

Mas como disse no inicio do comentário, a procissão ainda nem do adro da igreja saiu.